Como Imigrar aos Estados Unidos com Investimento de US$ 500.000,00 a US$ 1.000.000,00

CONHEÇA O NOVO MODELO DE INVESTIMENTO DISPONÍVEL PARA OS BRASILEIROS QUE VIABILIZOU A OBTENÇÃO DO GREENCARD (COM VISTO DE INVESTIDOR – EB-5.

Por Mauricio Ejchel

Ok, quero imigrar para os Estados Unidos com o Visto EB-5  de negócios e investimentos e obter um GreenCard.

Já sei que terei de investir de US$ 500,000 a US$ 1,000,000, gerar 10 empregos e manter o valor investido ao menos por 02 anos em um negócios, seja em uma empresa própria ou de terceiros. 

Mas como qualquer outra pessoa tenho dúvidas e receio de perder meu dinheiro. O que fazer?

A resposta é compreender o “espirito” do que o Governo Americano exige para este Visto EB-5:

  • O objetivo primordial do Governo Americano não é que você transfira seu dinheiro para lá, mas que GERE EMPREGOS para Americanos. 
  • Na realidade ainda existem outras 08 ou 09 condições que terão de ser cumpridas, como por exemplo provar a origem do dinheiro, apresentar certidões diversas, declarações de renda, o preenchimento de diversos formulários e Apresentar um Plano de Negócios (Business Plan – BP).
  • Sim, Plano de Negócios pois se trata de um visto de investimentos, que te impõe realizar um empreendimento comercial. (individual ou participando de um empreendimento maior como um quotista).
  • Muito trabalho e Muito Risco Financeiro.

Até 2015, quando meus clientes me contratavam para estruturar um Projeto EB-5 eu reunia a equipe clássica – advogado de imigração americano + contador americano + consultoria de negócios nos Estados Unidos + advogado no Brasil. Vejam os custos:

Despesas:

1 – Advogado (US$ 10,000)

2 –  Contador (US$ 700,00 + US$ 150,00 mensais)

3 – Consultoria de Negócios para dar base ao Investimento  (entre US$ 20,000 a US$ 45,000)

4 – Elaboração do Business Plan do Negócio para submter com o Pedido de Visto EB-5. (formulados consulares, etc.)

5 – Despesas financeiras e bancárias (US$ 3,500 a US$ 5,000).

6 – Incorporação da empresa (US$ 250,00) 

7 – Saída definitiva fiscal do Brasil. (US$ 4,000.00)

Importante ressaltar que o visto EB-5 é absolutamente viável, positivo e adequado para a muitos brasileiros e SIM, resulta em um precioso GreenCard.

Em 2016 fui procurado por uma empresa americana chamada First Pathaway que me apresentou uma outra fórmula para realizar o Projeto do EB-5, através de uma participação em um Grande Projeto de Construção, principalmente de Hotéis, Edifícios Comerciais e Residenciais.

A First Pathaway  é uma empresa com mais de 30 anos e tem sua sede em Milwaukee (Winsconsin) e que, na minha visão, elaborou um produto perfeito para auxiliar a obtenção do Visto EB-5, resolvendo os principais problemas, risco financeiro, gestão comercial e geração dos empregos.

Veja como funciona:

O FirstPathway Partners seleciona alguns Empreendimentos Comerciais nos Estados Unidos e avalia cuidadosamente os projetos de adequação para atender aos requisitos do EB-5.

Os Projetos (ver link) são Construções de Hoteis (Marriot, Hampton´s Inn) e Edificios Comerciais e Residenciais.

E porque obras civis e construções de hotéis?

Justamente para atender a exigência de criação dos 10 empregos em até 02 anos. Os funcionarios da obra são utilizados para suprir esta obrigação e garantir o GreenCard.

Também não se trata de um negócio tipicamente de risco, como uma Franquia, por exemplo.

É importante observar que a empresa é extremamente conservadores tanto com dinheiro como o andamento da obra, já fazem este trabalho há muitos anos e são comprovadamente os melhores do ramo.

O foco desta empresa nas ultimas décadas foi atender imigrantes Chineses.

Senti confiança, um primeiro cliente contratou, manteve o dinheiro controlado (diariamente), conseguiu o GreenCard e levantou o investimento após os 2 anos. Não recebeu juros.

Recomendo. Esse senhor abaixo é o CEO e vale checar o “Curriculo” dele.

BOB W. KRAFT – PRESIDENTE
IIUSA’s 



ASSOCIADO A:

https://www.firstpathway.com/

Avaliação

Seguir ou não com uma ação internacional? A dúvida de muitos brasileiros

Seguir ou não com uma ação internacional? A dúvida de muitos brasileiros

Após a queda do avião com o time da Chapecoense, que matou 71 jogadores na Colômbia, as famílias terão de buscar auxilio juridico internacional. Como fazer para contratar um advogado internacional.

Perguntamos a um especialista em direito internacional. Mauricio Ejchel, reconhecido especialista na area do direito internacional, reponde:

1. Como ficam as famílias dos jogadores mortos no acidente

DR. MF EJCHEL – Elas devem contratar advogados internacionais na Bolivia. Eles podem pedir a indenização. Estes advogados internacionais irão recorrer ao direito de receber indenização da empresa aeronáutica.

2. Q&A: Onde encontram os advogados internacionais?

A – DR. MF EJCHEL – Elas devem contratar advogados internacionais na Colombia. Também é possivel contratar escritórios de advocacia no Brasil na area do direito internacional. Eles contratam o advogado internacional colombiano.

3. Qual o custo?

-DR. MF EJCHEL – Depende. Um valor fechado por processo. Um percentual de resultado em certos casos.

4.Q&A – Finalmente, vale a pena para o brasileiro?

Sempre. Tem a questão financeira. E, mais importante, de Justiça!

5. Onde entrar com a ação internacional?

No direito comercial, term de observar a clausula da eleição de foro.

A escolha do foro contratual é admitida tanto em contratos nacionais como em internacionais.

A súmula 334 do Supremo Tribunal Federal, que dispõe que é válida a cláusula de eleição do foro para os processos oriundos do contrato, aplica-se a ambas as espécies contratuais.

6. Mas existem casos que o foro tem de ser no Brasil?

Sim –  Determinadas ações internacionais  são de competência absoluta da jurisdição brasileira. Neste caso, não importa o foro de eleição, sendo somente válida a sentença brasileira, ou seja, não é aceita a sentença estrangeira para execução no Brasil.

O Código de Processo Civil Brasileiro, em seus artigos 88 e 89, faz uma distinção exemplificativa entre competência relativa e absoluta, aplicável a ações estrangeiras.

Art. 88. É competente a autoridade judiciária brasileira quando:

I –  O réu, qualquer que seja a sua nacionalidade, estiver domiciliado no Brasil;

II – No Brasil tiver de ser cumprida a obrigação;

III – A ação se originar de fato ocorrido ou de fato praticado no Brasil.

Parágrafo único. Para o fim do disposto no n. I, reputa-se domiciliada no Brasil a pessoa jurídica estrangeira que aqui tiver agência, filial ou sucursal.

Nosso escritorio atende casos internacionais. Our office use to represent several international lawsuits.

Mauricio Ejchel

 

Avaliação